domingo, 4 de junho de 2017

Chromebook ou notebook de baixo custo com Windows?

Os Chromebooks vêm ganhando espaço no mercado mundial de notebooks. Logicamente a Microsoft não iria ficar assistindo a este movimento de braços cruzados, mas a resposta dela será suficiente para conter o avanço destas máquinas?



Desde 2013, a venda dos Chromebooks vêm crescendo e, em contra-partida, a dos PCs diminuindo ano a ano. Na esperança de manter a sua hegemonia neste mercado, a Microsoft está tentando inovar e no mês passado apresentou sua nova arma para enfrentar essa ameaça.

Erros do passado
Já em 2013, percebendo a incursão da Google, a Microsoft lançou uma campanha que culminou em 2 vídeos com o objetivo de denegrir a imagem dos Chromebooks, como pode ser visto aqui e aqui. No final das contas, essa campanha só serviu para chamar atenção do público para o até então pouco conhecido equipamento da Google, o Chromebook.

Percebendo que a estratégia não foi bem sucedida e o mercado destes dispositivos continuava a crescer, não havia outra alternativa a seguir a não ser criar um produto que pudesse desbancá-los. Após avaliarem a situação e chegaram à conclusão de que estes equipamentos só estavam sendo bem sucedidos devido ao seu baixo preço, então resolveram lançar no mercado equipamentos igualmente baratos com uma versão mais leve do Windows.

Mais uma vez erraram o alvo e após o fracasso, resolveram lançar em 2015, em parceria com a Acer, um notebook chamado Acer Aspire One Cloudbook. A mídia rapidamente apelidou este computador de Chromebook Killer, porém este equipamento também não conseguiu obter sucesso na sua missão e, mais uma vez, os Chromebooks continuaram seu caminho de crescimento no mercado.

Novas estratégias
No evento deste ano do MicrosoftEdu direcionado para a área de educação, a Microsoft anunciou o Windows 10 S que tem como objetivo competir diretamente com os Chromebooks no mercado educacional norte americano. Mercado este onde a Google vem tendo bom desempenho e já conquistou mais de 50% do setor.  

A principal razão da escolha destes dispositivos pelas escolas norte americanas não é o baixo custo. Apesar de ser um fator muito importante, a maioria dos gestores de TI destas instituições afirmaram que a facilidade de implantação, gerenciamento e operação é o fator decisivo para as suas escolhas.

O “S” desta nova versão pode sugerir simplicidade, mas será que desta vez a Microsoft entendeu a fórmula de sucesso dos Chromebooks?

O que tudo indica, a Microsoft entendeu o recado e resolveu criar um sistema com recursos mais próximos possíveis do que o mercado estava apontando como importantes para as instituições educacionais.

Abaixo você verá uma tabela criada pela própria Microsoft comparando o agora conhecido Windows 10 S e o Chromebook. Nela podemos perceber quais são as características que a empresa está tentando igualar ou superar.


Uma decisão fundamental tomada pela Microsoft foi a que o Windows 10 S rodará somente aplicações UWP (Universal Windows Plataform), que, de acordo com a empresa, garantirá uma experiência mais performática e segura. Os apps da Windows Store são projetados para rodar em hardware mais modestos, o que deve garantir uma boa fluidez para computadores menos potentes, geralmente usados neste tipo de atividade. Além disso, os apps são submetidos a um controle de admissão a loja de apps mais rígida, algo não existente nos programas tradicionais, este tipo de controle diminui a possibilidade de infecção por malwares, muito comuns em softwares piratas, reforçando desta forma a segurança.

Porém esta abordagem tem um problema fundamental e de difícil solução. A Windows Store ainda não tem uma coleção representativa de aplicativos, principalmente se comparado com a Google Play e a Apple Store e para que sua estratégia funcione, precisará convencer os desenvolvedores a criar aplicativos para seu ecossistema. Isso é um fator crucial para o sucesso, visto que a falta de aplicativos foi o principal motivo pelo fracasso do Windows RT.

Será que a Microsoft cometerá o mesmo erro novamente?

O Windows 10 S representa um desafio para os Chromebooks?
A Microsoft sabe que ser bem sucedida no setor educacional é muito importante, já que as pessoas tendem a usar a mesma tecnologia que se acostumaram a usar em suas formações acadêmicas e neste ponto a Google está em vantagem. Para piorar as coisas, os Chromebooks estão começando a ganhar terreno nos mercados educacionais sueco, australiano e neo zeolandês e se esta tendência se espalhar pelo mundo, a Microsoft estará em maus lençóis. Isso tudo aumenta a pressão do seu lado.

Ela precisa provar que seu sistema é tão simples e seguro quanto os Chromebooks são e terá que trazer mais desenvolvedores para sua loja para conseguir atrair os usuários. Se não conseguir solucionar esses dois fatores não conseguirá impedir o avanço dos Chromebooks que estão começando a fazer inclusive investidas em outras áreas além da educação.

E você, acha que a Microsoft será bem sucedida nessa empreitada?

Deixe seu comentario abaixo para enriquecer o conhecimento do nosso blog.

Para ler mais artigos sobre Chromebooks e o Chrome OS visite: