sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Uso Corporativo dos Chromebooks - Parte 1

Por: Marcelo Zoel

Parte 1: O que são os Chromebooks e a sua adoção no mercado mundial
Parte 2: Benefícios para empresa




RESUMO: Neste artigo que será publicado em duas partes, pretendo abordar o mercado atual dos Chromebooks e a utilização destes equipamentos no ambiente corporativo. O objetivo é estimular um debate sobre alternativas ao modelo de computação atual desenvolvidos pela Apple e Microsoft.

Espero que todos tenham uma leitura satisfatória.




O que são Chromebooks


Os Chromebooks são uma nova categoria de computadores projetados pela Google e fabricados pelos seus parceiros comerciais. A filosofia por trás destes dispositivos é a simplicidade de uso e é justamente esta característica que os tornam tão potentes.


Eliminando-se a complexidade abre-se espaço para focar no que realmente interessa e neste aspecto a Google faz um ótimo trabalho trazendo o que há de melhor em processamento em nuvem.

Os Chromebooks são computadores que executam o sistema operacional Chrome OS tendo como o núcleo o Linux e como interface de usuário, uma versão especializada do navegador Chrome. Portanto o Chrome OS é um sistema operacional que executa basicamente aplicativos web.




Um pouco de história


Segundo a Wikipedia, a Google começou o desenvolvimento do Chrome OS em 2009 e o primeiro produto, baseado neste sistema, chegou ao mercado em junho de 2011[1]. De lá para cá o sistema sofreu várias transformações tanto em funcionalidades quanto em sua interface gráfica, que passou a mimetizar um desktop completo com um lançador de programas e barra de tarefas, características semelhantes as encontradas no Windows.


O Chrome OS é baseado no projeto denominado Chromium OS, este desenvolvido em software livre. O projeto foi fundado e é patrocinado pela Google. O Chrome OS não está disponível para download e a sua distribuição é feita pelos seus parceiros que o incorporam em seus hardwares otimizados para sua finalidade.


Adoção destes dispositivos no mercado mundial

A recepção inicial do público e da imprensa especializada foi cautelosa e até mesmo incrédula, muitos afirmaram na época que o modelo de negócio proposto pela Google não tinha qualquer futuro, afinal tudo que era possível fazer com este tipo de dispositivo poderia ser feito facilmente em outra plataforma.

Por que investir em um produto que tinha limitações em seu uso, ao invés de adquirir um produto completo como o Windows ou o Mac OS? Onde estaria o diferencial que faria este tipo de produto ser bem sucedido no mercado?

Acho que poucos perceberam no momento, mas a Google estava mirando em um objetivo de longo prazo, prevendo o crescimento e o sucesso da tecnologia de computação em nuvem. Na época a tecnologia ainda não estava lá e talvez hoje ainda não tenha chegado na sua forma ideal, principalmente em países como o Brasil, mas certamente é uma questão de tempo e todo mundo sabe como é importante ser o pioneiro no mundo tecnológico.

O crescimento da plataforma foi maior na área da educação, principalmente nos EUA, onde a sua adoção está bem acelerada. Na maior parte das vezes, a percepção inicial do público é de se tratar de um produto com pouco potencial, mas geralmente os consumidores que se aventuram a testá-lo mudam rapidamente de opinião e muitas vezes acabam substituindo seus computadores antigos pelos Chromebooks definitivamente.

No resto do mundo, os Chromebooks estão começando a despontar com bastante representatividade, como podemos ver no artigo do Gartner “Gartner Says Worldwide Chromebook Sales Will Reach 7.3 Million Units in 2015”[2].


Aspectos positivos deste tipo de computador

Afinal, por que estes computadores estão sendo bem-sucedidos apesar de suas aparentes limitações? Muitos críticos alegam que a sua vantagem está atrelada somente ao baixo custo e que com a estratégia da Microsoft de subsídio de computadores baratos com Windows embarcados, os dias dos Chromebooks estão contados[3].

Apesar do baixo custo ser um fator atraente para aquisição destes equipamentos, ele não é o único. O que atrai e fidelizam os consumidores nesta plataforma é a simplicidade de uso e manutenção. 

Podemos relacionar como fatores positivos os seguintes pontos:

  • Preço baixo
  • Alto desempenho
  • Imune a degradação de performance durante a sua vida útil
  • Segurança
  • Facilidade de uso
  • Baixo índice de manutenção
  • Grande autonomia de bateria
  • Baixo consumo de energia (consequente grande autonomia)

Apesar do perfil modesto da maioria dos hardwares utilizados na sua fabricação, o desempenho é bastante adequado, trazendo uma boa experiência de uso.

Um outro aspecto positivo, é que diferente dos outros sistemas operacionais que sofrem  efeito degradativo decorrente do excesso de instalações de programas, os Chromebooks só sofrem queda de performance por problema de hardware. Isto certamente é um ponto positivo para quem depende de respostas rápidas para manter a sua produtividade.

Além disso, podemos destacar que a Google leva bastante a sério a questão de segurança dos Chromebooks[4], implementando várias funcionalidades que garantem bons resultados, tais como, checagem de integridade do sistema durante a sua inicialização, sandboxes, criptografia de armazenamento e transmissão, atualização automática e bloqueio e limpeza remota em caso de perda ou furto.

A curva de aprendizado dos Chromebooks é baixa, pois muitos usuários já possuem certa experiência com o navegador Chrome e com os diversos aplicativos que fazem parte do ecossistema da Google e mesmos os que não possuem não encontram grandes dificuldades.

Outra característica que merece bastante destaque é o baixo índice de manutenção exigida para este equipamento. O sistema foi projetado para garantir atualizações automáticas, instalação simplificada de aplicativos web, segurança nativa e recurso de recuperação rápido do sistema operacional em casos de falha crítica.

Por fim, podemos destacar também o baixo consumo de energia que garante uma grande autonomia, uma característica muito benvinda para os usuários que precisam passar bastante tempo longe de uma fonte de energia elétrica.


Limitações da plataforma

Logicamente a simplicidade desses dispositivos tem seu lado negativo, que para determinados usuários os desqualificam totalmente para uso. Enquanto para grande parte das pessoas somente um navegador é suficiente para as tarefas diárias, para outros são necessárias ferramentas específicas que não estão disponíveis neste ambiente. Os Chromebooks não dispõem de sistemas tradicionais, tais como Photoshop e Autocad e além disso, os usuários que precisarem usar Java ou Silverlight também estarão desamparados.

Outro fator negativo é a grande acoplagem da plataforma com a Internet. A maioria dos aplicativos escritos para este sistema dependem totalmente da sua disponibilidade. Caso não se tenha acesso a este recurso, a utilização destes computadores fica bastante prejudicada. Embora a Google esteja trabalhando para minimizar este problema, adaptando suas aplicações para uso offline, a grande maioria dos outros desenvolvedores ainda não se moveram neste sentido.

Embora estes dois pontos sejam fatores importantes e que façam os usuários colocar o pé no freio, veremos mais tarde que existem formas de minimizar estes problemas. Devemos ter em mente que este tipo de sistema não serve para todos, mas certamente pode beneficiar diversos consumidores.

Obrigado pela atenção e até a semana que vem.

Referências: